Skip to content

Apresentação de Personagens – Konar, o Bárbaro – O espírito da fera!

27, 05, 2008

Na antiga Siméria, região distante das grandes capitais e esquecida pelo tempo, nasce Konar, criança forjada no calor das batalhas assim como qualquer bárbaro nascido no clãn nômade, Argoniano. Clãn devoto de seus antepassados, e famoso por batalhar a frente de exércitos.

Em sua oitava primavera, a esperada hora de se juntar aos mais velhos nas caçadas e nos saques havia chegado, seu espírito aventureiro não agüentava mais o “enclausuramento” de sua aldeia e após um simples ritual de passagem para fase adulta, ele e outras duas crianças partem com os mais velhos para um saque planejado especificamente para a ocasião. As mães pranteavam pelos filhos e temiam pelas suas vidas, más, em nenhum momento Konar olhou para trás, um Argoniano é assim, não há espaço para sentimentalismos em seus corações.

Todos partem em direção as montanhas a emboscada havia sido planejada naquela região por ser passagem obrigatória a viajantes. Naquele momento as vítimas seriam um comboio de Ciganos desprevenidos e aparentemente indefesos. Konar sentia em seu corpo a adrenalina que os mais velhos descreviam em suas histórias e sabia que aquela sensação o mantinha mais vivo do que jamais esteve em toda sua vida.

Eles partem em direção ao comboio, os Ciganos não tem nenhuma chance contra o bando de saqueadores, Konar havia sido instruído a atacar a carruagem mais ornamentada e aparentemente mais “rica” de todas.

Entrando na carruagem já desprotegida, Konar vê uma senhora, uma velha de comportamento seniu, que imediatamente fala ao garoto; “Você jovem, se diverte com essa chacina?” Konar se surpreende com a pergunta mas continua sua investida, e a velha repete novamente a pergunta, “Você realmente está se divertindo jovem?”, Konar responde dessa vez; “Sim, eu esperei muito por isso.”, imediatamente a idosa começa a pronunciar palavras em um idioma desconhecido pelo pequeno bárbaro que é imediatamente alertado por um membro mais velho que a mate antes que ela termine de falar, Konar se apressa em mata-la e com um pouco de hesitação faz seu trabalho.

Antes de morrer a velha fala em um distinto tom de ironia, “Agora você realmente irá se divertir garoto”, Konar não entende e também não dá atenção as palavras da senhora, pois suas mãos encharcadas de sangue pela primeira vez, o deslumbram e prendem sua atenção totalmente.

O ataque ao comboio havia sido bem sucedido nenhuma baixa no grupo de bárbaros, os três garotos conseguiram passar no “ritual” de passagem para vida adulta e imediatamente voltaram com o saque para a aldeia.

Anos se passaram, agora um adolescente em sua décima oitava primavera, Konar se torna extremamente agressivo em suas batalhas, sem piedade nem misericórdia de seus adversários, a ponto de deixar seus próprios adversários receosos.

Em uma certa noite, durante um pesadelo não costumeiro, lapsos de uma fera selvagem passam pela sua mente, em seu sonho ela o ataca e ele tenta de todas as formas se defender mas a força da fera é extremamente superior a sua. Quando Konar acorda de seu pesadelo, toda sua aldeia havia sido dizimada, crianças e mulheres não haviam sido poupadas, entranhas espalhadas por toda parte, o gosto de sangue em sua boca e carne entre as unhas as marcas de batalha pelo seu corpo, o fizeram entender que não havia sido um ataque de inimigos e sim ele que ocasionou toda aquela destruição.

Confuso e traumatizado com tudo que havia acontecido, Konar buscou forças de todos os seus antepassados para enterrar cada habitante da aldeia inclusive os mais importantes, sua própria família. Enquanto tentava se concentrar em sua ultima oração, Konar lembrou-se das ultimas palavras de sua primeira vítima, a velha cigana, e imediatamente relacionou os incidentes.

Anos se passam, Konar está agora em seu vigésimo quinto inverno, em uma jornada particular em busca de alto-controle e força, força para vencer a “fera” interior. O incidente do passado ainda o assombra, mas, diferente do passado ele agora conhece e é capaz de controlar aspectos de sua “natureza selvagem”, após anos de treinamento ele sabe do que é capaz e sabe também o quanto é perigoso utilizar a força do monstro em seu beneficio.

Camponeses contam lendas que narram a história de um homem capaz de se transformar e um animal por vontade própria em campo de batalha, mal sabem eles que essas histórias sempre tem um pouco de verdade nelas.

– “Ele caminha agora na direção da Capital Central do Reinado, em busca de maneiras de aperfeiçoar tanto suas técnicas na esgrima quanto seu espírito, o bárbaro saqueador e destrutivo não morreu……..ele apenas virou um bárbaro destruidor!”

Anúncios
3 Comentários leave one →
  1. Junior (Malkaviano) permalink
    28, 05, 2008 10:39 am

    Ai mano, historia muito show…
    Bem criativa…
    Show de bola…

  2. Drevy permalink
    28, 05, 2008 11:46 am

    muito bacana man …

    vc é o cara … rsrsrs

    boa imaginação !!!

  3. souza.G permalink
    24, 02, 2010 11:37 am

    gostei muito tem a manha,também tenho esses tipos de roteiros para jogos varios.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: