Skip to content

Late Show II – A Vingança!

4, 06, 2008

Citar:
– Tenho quase certeza que foi Carol quem o matou. Afinal, eles se odiavam!
– E daí? Isso é a indústria de cinema, honey. Todo mundo se odeia! Ódio puro e simples não é motivo suficiente pra se matar alguém nesse ramo de negócios. Dinheiro é um bom motivo. Inveja é um bom motivo. Um convite pra festa da Vanity Fair… Ah, eu mesma mataria quem quer que fosse pra conseguir um!

Na matéria anterior, vimos a apresentação geral e criação de personagens de “It Came From The Late, Late, Late Show!”. Mas o filme tava muito longo e o estúdio não tinha mais verba, daí foi preciso cortar a produção e adiar o lançamento da parte 2 por tempo indeterminado…

Mas finalmente, as câmeras voltam a rodar! Na seqüência da resenha, apresento a vocês como o sistema funciona (ou não…) Muito bem, silêncio no estúdio! AÇÃO!!!

SISTEMA

Imagine uma cena de combate em que os jogadores estão numa “fria”, sem saber o que fazer. De repente o “elenco” se junta e pede um “intervalo comercial” enquanto todos tentam bolar um jeito de se safar. Nesses casos, o mestre pode – e deve – exigir que um dos atores “improvise” o comercial, como um daqueles odiosos anúncios de televendas do tipo Organizações Tabajara. Seu personagem tem Fama suficiente para “comprar” um dublê? Chame-o para apanhar no seu lugar! Nada deu certo e você está à beira da morte? Apele para a infalível sabedoria-do-personagem-moribundo e, enquanto baba sangue, revele aquele “segredo” fundamental para o desfecho da história: seu “personagem” morre, mas seu “ator” ganha súbita Fama pra o próximo papel! Mortes extremamente esdrúxulas também são um “turbo” e tanto para a carreira de um iniciante: ninguém esquece a cara daquele ator novo que enfrentou 5 zumbis com uma perna engessada, antes de ser triturado por uma máquina de lavar industrial.

Quanto ao uso dos talentos e habilidades, as coisas podem variar um pouco dependendo do cenário do jogo, mas a Regra de Ouro é sempre a A.F.A.E. (Agir de Forma Apropriadamente Estúpida). O filme é de kung fu? Comece a berrar sem necessidade, e com péssima sincronia labial. Na cena de horror, seu solitário ator chega em casa tarde da noite e encontra a porta da frente escancarada, as luzes não funcionam e os reflexos da lua cheia na penumbra revelam pegadas ensagüentadas, que se encaminham para o porão: o que você vai fazer? Obviamente, em vez de fugir correndo aos gritos e acordar metade da cidade enquanto chama a polícia pelo celular, você vai cuidadosamente (e sem pegar arma nenhuma) caminhar até a escuridão do porão gritando 40 vezes “Olá? Tem alguém aí?”. E vai tentar fingir uma enorme surpresa quando o maníaco da moto-serra pular em cima de você. Isso garante ao ator do perspicaz personagem alguns valiosos Pontos de Fama…. afinal, é seu trabalho, pô!

Cada jogador tem 20 lances de dados para distribuir entre seus Talentos. Eles são as perícias do ator, divididas em “Combat Talents” e “Other Talents”. O jogador pode aplicar cada resultado em talentos separados, ou somar vários resultados em um só, como preferir. Dessa forma, o jogador pode escolher entre ter números baixos em 20 talentos diferentes ou ser o “poderoso” em apenas poucos deles. Usá-los requer um simples teste de porcentagem – um resultado abaixo do número percentual de seu talento é um sucesso. O número em um Talento, dessa forma, pode até ultrapassar 100, mas qualquer resultado “00” nos dados resulta em fracasso instantâneo. Entretanto, valores na casa “100” ou maiores ainda são um bom negócio, uma vez que o “Diretor” pode impôr modificadores negativos de dificuldade dependendo das circuntâncias que envolvem a ação – modificadores esses que podem facilmente ultrapassar a casa das dezenas.

Os Combat Talents incluem os clássicos Unarmed, Knife, Pistol e Rifle, mas para refletir o estilo filme trash, há escolhas intrigantes como ferramentas de mecânico, vassouras, lanças medievais, lança-foguetes, arremesso de bugigangas… (alguém aí lembra a clássica cena de sexta-feira 13 em que a adolescente histérica acerta em cheio o zumbi carniceiro Jason com um… aparelho de TV?).

Os outros talentos incluem… ora, qualquer coisa, na boa. Você pode roubar as escolhas do coração de qualquer um de seus RPGs preferidos. Acrobacia, Biologia, Blefe, Eletrônica, Medicina, Linguagem de Sinais, Arqueirismo. As menos comuns ficam com Afinidade Animal, Senso Temporal/Percepção Espacial, Física Nuclear, Espaçonaves… A lista é gigantesca. Considerando-se que estamos falando de filmes trash, até Grito é um talento dos mais poderosos (Uma boa cena de grito não só aumenta a Fama, como é capaz de atrair outros atores na direção do PC desesperado antes que ele receba um golpe fatal).

A última coisa que você precisa saber é sobre os SPs, ou Pontos de Sobrevivência. Levar uma bela cacetada da Criatura do Pântano Sombrio obviamente causa dano, reduzindo seu SP. Somando seus pontos de Fama e Build (Constituição) você tem seus pontos de SP iniciais – então, naturalmente, conforme seu ator se torna mais famoso, mais difícil será matá-lo no próximo filme.

Atingir alguém com um porrete normalmente arranca uma base de 10 pontos de dano, enquanto uma espada samurai nunca rouba menos de 20 pontos. Enquanto um ator “experiente” pode sobreviver a um balaço de pistola Colt.45 (20 pontos), pouquíssimos atores que não tenham um caso sórdido com o roteirista poderiam escapar da explosão de um torpedo com dano “básico” de 54 mil pontos.

As boas notícias: após cada minuto de combate, os jogadores vão automaticamente recuperar 1d10 de SP. Então, assumindo que eles sejam capazes de permanecer vivos por alguns rounds (provavelmente fugindo), eles se recuperam consideravelmente. Cada hora de jogo revigora um lance extra (1d10) de SP. Não é simples generosidade, é uma regra extremamente útil uma vez que a A.F.A.E. está sempre valendo…

A maioria das páginas restantes do livro básico contêm regras para o Diretor, e inclui diversos monstros pré-concebidos pra jogar na frente dos atores: de alienígenas e menininhas possuídas pelo demônio a mamutes descongelados e répteis gigantes radioativos, daqueles que sapateiam sobre Tóquio. Os mais clássicos não poderiam faltar: Drácula, múmias, o monstro de Frankenstein. Os atores também podem ser ajudados/atrapalhados por um vasto elenco de clichês-NPCs: a cigana ameaçadora, os bêbados, os velhos “sábios” completamente esclerosados em quem ninguém presta atenção, as patricinhas desmioladas e os investigadores incompetentes, só pra citar alguns. Duas aventuras prontas incluem as primeiras produções dos novos atores: “A Invasão dos Mergulhadores Mortos-Vivos na Praia dos Biquínis” e “O punho de ferro de Shaolin contra os Dragões Ninjas”.

No mais, é entrar em cena e… “Ei! Você ouviu isso? Parecia um grito. Não, você espera aqui com a lanterna. Eu vou sozinho até lá pra checar… I’ll be right back!”

Texto por: Alexandre Santana

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: